Pages

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Sound the Alarm ⤫ Album Reviews #33


A quantidade de álbuns que tenho por analisar é tanta que até chega a meter medo! Sem mais demoras, vamos para o quarteto musical de hoje. A categoria do dia é: underrated.

MUST LISTEN:
⤫ 13 BEACHES
LOVE
⤫ BEAUTIFUL PEOPLE
⤫ CHERRY
⤫ SUMMER BUMMER
⤫ GROUPIE LOVE

1. Lana Del Rey Lust For Life

Passaram-se dois meses desde o lançamento do aguardado Lust For Life, da Lana Del Rey, e ainda não consegui assimilar o quão bom ele é. Neste quarto disco de estúdio vemos a cantora norte-americana a voltar às suas raízes, por assim dizer. Mais próximo da brilhante era Born To Die do que de Ultraviolence ou Honeymoon, é o seu trabalho mais longo até à data.

O conjunto de 16 faixas lida com temas bastante familiares para qualquer fã, a queda do glamour Hollywoodesco, a América, e amores terríveis. Mas, desta vez, a Lana consegue atingir uma magnitude ainda maior, ao recorrer a orquestras e melodias simplesmente impressionantes. Começando pela cinemática "Love" e passando pela etérea "13 Beaches", são muitas as concorrentes ao título de melhor canção.

Contrariamente à maioria dos colegas de profissão, a Del Rey acertou em cheio nas colaborações. A parceria com a incomparável Stevie Nicks na "Beautiful People, Beautiful Problems" (uma das minhas favoritas), é possivelmente uma das canções mais bonitas que alguma vez criou. As vozes das duas complementam-se tão bem que chega a ser chocante. O rapper A$AP Rocky aparece em "Summer Bummer" e "Groupie Love" e não desapontou.

Lust For Life não conseguiu superar o irmão mais velho, Born To Die, mas andou lá perto. De qualquer forma, é um dos melhores discos produzidos este ano.

MUST LISTEN:
⤫ I LOVE YOU ALWAYS FOREVER
⤫ YOU CAN TRY TOMORROW
⤫ HUMAN TOUCH

2. Betty Who  The Valley

A extremamente underrated Betty Who, lançou um disco que não só eleva as expectativas dos ouvintes em relação às suas capacidades, como representa uma lufada de ar fresco na indústria musical.

O disco de estreia, Take Me When You Go, ofereceu-nos uma colecção de pop reflexivo, com faixas que não só incluíam a comunidade LGBT, como acabaram por se tornar em autênticos hinos de auto-aceitação. No sucessor, The Valley, vemos a jovem australiana a arriscar novos estilos e géneros sonoros. Podemos ouvir acapella, rap, spoken word, e vocais absolutamente deliciosos em faixas como "Some Kinda Wonderful" e "Human Touch". "You Can Try Tomorrow" é possivelmente uma das melhores canções que ouvi nos últimos meses e tem tudo para ser um hit.

Apesar deste disco ser francamente mais contemporâneo que o anterior, a Betty consegue sempre arranjar uma particularidade que o faça distinguir-se do resto da alcateia. De uma maneira geral, The Valley é uma aposta coesa, e um verdadeiro pop record. É sofisticado, polido e extremamente catchy.

MUST LISTEN:
⤫ DARKEST HOUR
⤫ SHELL
⤫ WHERE IT STAYS

3. Charlotte OC  Careless People

Apaixonei-me pela musicalidade da Charlotte OC no ano passado, graças à genial "Darkest Hour" — que integrou o TOP 10 UNDERRATED SINGLES OF 2016 —, e desde então tenho acompanhado o seu trabalho.

Intitulado Careless People, devido a uma passagem do Great Gatsby — «They were careless people, Tom and Daisy (...)» —, o álbum de estreia não me encheu as medidas. Digamos que após o já referido single, "Darkest Hour", e o fantástico "Shell", esperava mais canções na mesma linha sónica. Felizmente a voz da O'Connor é suficiente para apagar a desilusão.

Verdade seja dita, Careless People não foi ao encontro da explicação dada pela cantora britânica numa entrevista, "There’s all this folklore about the North that’s got a lot to do with witches. Making this album, I wanted to mix the real and surreal in that way, to be as honest as possible but also bring out the mystical side of where I’m from". Pois, não vi onde. Dito isto, não é um álbum mau, nem de perto! Mas espero que o próximo tenha uma força pujante do início ao fim. 

MUST LISTEN:
⤫ SLIP AWAY
⤫ WREATH
⤫ OTHERSIDE

4. 
Perfume Genius  No Shape


Desde as gravações caseiras no disco de estreia, Learning, ao pop cheio de swagger em Too Bright, a música que Mike Hadreas como Perfume Genius é isso mesmo, genial. Cada vez melhor, maior e mais desafiadora. Para este quarto trabalho de inéditas, No Shape, o cantor continua a sua incrível streak com mais um álbum avassalador.

O Perfume Genius sempre explorou o mundo queer, especialmente os traumas que se encontram no caminho da auto-descoberta. Não é por acaso que até no seu expoente máximo de exuberância, a música permanece numa constante batalha interna. Em No Shape, essa espécie de tensão continua presente mas passou para o lugar do pendura, cedendo o volante à incrível força que o amor pode ter. Por muito lamechas que esta explicação soe, é a mais pura verdade.

Talvez por isso, este projecto tenha uma sonoridade mais festiva (não confundir com dance music) do que qualquer um dos seus antecessores. A faixa de abertura, "Otherside", é uma viagem que começa como uma balada a piano e explode de forma eufórica a meio do caminho. É brilhante! E serve de ponte para o triunfante lead single, "Slip Away", a minha canção favorita e possivelmente a melhor da sua carreira.

Muitas das letras são inspiradas em parte pelo seu namorado, Alan Wyffels, que além de colaborar com ele durante os últimos 8 anos, teve direito a uma homenagem intitulada "Alan" que encerra o disco. O amor ocupa assim uma espécie de papel central nesta epopeia lírica que se converteu numa das melhores produções de 2017. 

(+) ALBUM REVIEWS (HERE)

Já ouviram algum dos quatro álbuns? Qual é o vosso favorito?

1 comentário:

Obrigado pela leitura e comentário!
Eventuais questões serão respondidas aqui, na respectiva publicação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...