Pages

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Sound the Alarm ⤫ Álbuns a ouvir #30


#1. Drake More Life
MUST LISTEN: GET IT TOGETHER | PASSIONFRUIT | MADIBA RIDDIM |  TEENAGE FEVER 

Num intervalo de apenas dois anos, o Drake lançou duas mixtapes If You're Reading This It's Too Late (2015) e What a Time to Be Alive, esta última em parceria com Future, lançou um disco bem recebido comercialmente, Views (2016), e ainda colaborou numa série de faixas, como o hit "Work" da Rihanna.

Com tanto material a sair sem seguir, necessariamente, uma linha conceptual única, o rapper norte-americano encontrou a solução ideal, lançar o novo registo musical como uma playlist. Intitulado More Life: A Playlist by October Firm (2017), o novo "álbum" é excessivamente longo, com uma duração de 80 minutos. A colectânea de 22 faixas e interludes navega pelo dancehall ("Madiba Riddim", "Blem"), o grime ("Get It Together", "Passionfruit"), e R&B ("4422", "Glychester"), sem que se torne numa confusão de géneros.

Sinceramente considero o Drake extremamente sobrevalorizado, e não percebo a hype toda à sua volta. Apesar de não ser nenhum entendido em rap ou sequer adorar o estilo, sei ver que existem muitos outros artistas bem mais eficazes que ele. Dito isto, More Life valeu a pena nem que seja pela genial "Get It Together". 


#2. Nelly Furtado  The Ride
MUST LISTEN: PHOENIXPIPE DREAMS | CARNIVAL GAMES | STICKS AND STONES

Oh Nelly, a falta que me fizeste! Cinco anos após o lançamento do último disco, o injustamente underrated, The Spirit Indestructible (2012), a luso-canadense mais conhecida do mundo está de volta com The Ride. Neste sexto álbum, a cantora volta a explorar um novo universo musical, aproveitando para revisitar uma série de elementos originalmente utilizados nos seus primeiros trabalhos. Estamos no mesmo território indie pop/synthpop de artistas como Sky Ferreira, HAIM ou até Carly Rae Jepsen, ou seja, música de qualidade com pouco ou nenhum sucesso comercial.

Produzido em parceria com John Congleton, o leque de 12 faixas é uma viagem melodicamente incrível, do início ao fim. A cantora provou que o pop não precisa ser necessariamente descartável, pode ter cabeça, tronco e membros. Da batida emocionante de "Magic", dreamy "Pipe Dreams", culminando na etérea "Phoenix", é um crime não embarcarem nesta Ride.

#3. Goldfrapp  Silver Eye
MUST LISTEN: ANYMORE | EVERYTHING IS NEVER ENOUGH | MOON IN YOUR MOUTH | OCEAN

Honesty Time: este é o primeiro projecto que ouço dos Goldfrapp do início ao fim. Veredicto: não me perdoo por não lhes ter dado uma oportunidade antes. Silver Eye é o primeiro registo de inéditas em quatro anos e do pouco que conheço dos trabalhos anteriores, segue o mesmo estilo apoiado em sintetizadores e batidas trip-hop/chillout que os meteu no mapa.

Como não tenho propriamente fonte de comparação, estou bastante satisfeito com o que ouvi. "Anymore" e "Ocean" são sem dúvida as grandes stand-out tracks do álbum. Por entre tantas batidas minimalistas e sintetizadores crescentes, a voz delicada da Alison capta a nossa atenção de uma maneira incrível. Sem dúvida uma das grandes surpresas deste ano.

#4. Mac DeMarco  This Old Dog
MUST LISTEN: THIS OLD DOG | WATCHING HIM FADE AWAY |  MY OLD MAN | A WOLF WHO WEARS SHEEPS CLOTHES

O Mac DeMarco é um verdadeiro achado. Foi-me recomendado por um colega, quando andava na Universidade, e desde então converti-me num fã. Desde 2012 ele já lançou dois álbuns aclamados pela crítica e parece-me que este This Old Dog vai completar o triângulo. Responsável pela composição, produção e gravação de cada um dos instrumentos, o músico canadense (apercebi-me agora que o Canadá está em grande nesta publicação) faz do registo de 13 faixas uma obra pessoal e intimista, através de versos em modo de confissão presentes ao longo do trabalho.

Na faixa de abertura, My Old Man, Demarco apresenta ao ouvinte uma cuidadosa reflexão sobre a necessidade de amadurecer e encarar a vida adulta. Aos poucos, vamos tendo acesso a vislumbres da vida pessoal e infância do compositor. Uma história marcada por abusos e agressões causadas pelo pai alcoólico. Este tipo de vulnerabilidade é desfolhado com o avançar de cada canção, até "Watching Him Fade Away", encerra o ciclo. Sem dúvida a música mais sincera da sua carreira. Aqui vemos o cantor a chegar a um patamar de aceitação sobre deixar algo que nunca teve verdadeiramente. Este é o Mac mais no seu estado mais cru de sempre, numa espécie de carta de amor à família que nunca teve. É simplesmente heartbreaking.

OUTROS ÁLBUNS A OUVIR (AQUI)

Já ouviram algum dos quatro álbuns/ep's? Qual é o vosso favorito?

2 comentários:

Obrigado pela leitura e comentário!
Eventuais questões serão respondidas aqui, na respectiva publicação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...