Pages

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

THE XX “I See You” | Album Review


Após cinco longos anos, The XX estão de volta com o disco I See You. Com duas obras-primas no currículo, leia-se XX (2009) e Coexist (2012), o meu trio favorito resolveu sair da sua zona de conforto minimalista e apostar numa sonoridade um tanto diferente mas... extremamente familiar. 

Bastam meros segundos para que a faixa de abertura, "Dangerous", nos atinja com o som de uma corneta banhada numa batida frenética, e transporte o grupo britânico para um território até então desconhecido, a pista de dança. Dito isto, se forem fãs dos projectos a solo do produtor-baterista Jamie Smith, aka Jamie XX, especialmente do sensacional In Colour  que ocupou o #4 lugar na minha lista dos Melhores Álbuns de 2015  não vão sentir uma grande estranheza com as canções mais mexidas.

Capa de I See You.
Sim, I See You parece um álbum do Jamie que por acaso contém vocais dos colegas de banda  as melodias da "On Hold" e "Test Me" encaixavam na perfeição no leque do último projecto a solo do Mr. Smith , mas isso não é um factor negativo. De todo. Embora as músicas mais vibrantes  entre elas as fantásticas "A Violent Noite" e "I Dare You", ou a quase tropical "Lips possam fugir um pouco àquilo a que estamos habituados, a verdade é que raramente as produções do Jamie são demasiado "chocantes".

Se nos dois primeiros discos a ideia era retirar o que há de melhor no indie pop, R&B e dance music sob um filtro quase acústico, criado especialmente a pensar nas actuações ao vivo, neste as samples do Jamie ganham vida própria. A essência de "menos é mais" não se perdeu, apenas recebeu uma injecção de adrenalina. O resultado é um som mais rico e variado.

Não é só do produtor que se faz os XX. Também Romy Croft e Oliver Sim merecem uma vénia. Aliás, é notório um crescimento enquanto vocalistas. Nenhum tem um grande alcance vocal, mas são extremamente inteligentes e capazes de moldar e transmitir sentimentos através de silêncios calculados e mudanças frásicas. Enquanto narradores da acção, a sua entrega nunca deixa de me surpreender.

Dois pontos altos desta colectânea são as faixas "Performer" e "Brave". Na primeira, Croft canta sobre manter as aparências, dar a ilusão que tudo está bem, quando na verdade ela está a morrer pode dentro. É brutal  não no sentido chunga  e uma das faixas mais comoventes. A segunda é um tributo aos seus falecidos pais, mas poderia servir para qualquer pessoa que acredite mais em nós e no nosso potencial, do que nós próprios. Uma mensagem emocionante que retrata o eterno duelo do interior vs. exterior. 

Fui apanhado de surpresa com a ligeira mudança sonora mas fiquei bastante satisfeito com o trabalho apresentado. I See You é um álbum para ouvir do início ao fim com ouvidos bem abertos. Isolem-se do mundo exterior e absorvam cada batida, cada palavra, cada pausa. Impossível ficar desiludido com tamanha genialidade musical. The XX mostraram, mais uma vez, o porquê de ocuparem um lugar cativo na lista dos meus grupos de eleição.


Já ouviram o novo álbum dos XX? Gostam? Quais são as vossas canções favoritas?

3 comentários:

  1. Está fantástico! Eu já sabia que vinha algo bom, mas fiquei surpreendido mesmo assim!

    ResponderEliminar
  2. Obrigado pela sugestão. Não conhecia e gostei muito =)

    ResponderEliminar
  3. Era um dos álbuns por que estava mais ansiosa e a minha opinião vai muito de encontro à tua: há aqui muito de Jamie XX!!! Ainda assim, é um disco maravilhoso e que certamente ouvirei muitas vezes.
    Só por curiosidade, a minha música favorita é a «I dare you»! (:
    Beijinho*

    ResponderEliminar

Obrigado pela leitura e comentário!
Eventuais questões serão respondidas aqui, na respectiva publicação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...