Pages

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

A música pode salvar uma pessoa?


Durante muitos anos olhei com algum cepticismo para as almas atormentadas que juravam a pés juntos ter sido "salvas" por uma música. Identificarem-se com as letras de uma canção é uma coisa, mas daí a uma missão de salvamento vai uma grande diferença. Não querendo de todo menosprezar os sentimentos das outras pessoas, falo da perspectiva de alguém que nunca passou por este fenómeno.

Apesar de não ter experienciado os poderes da música a este nível, não significa que esteja imune aos seus poderes emocionais. Aliás, como se viu pela publicação "Emotional Songs". Certo é que sempre me fascinou como é que as pessoas afirmavam curar-se graças a um conjunto de palavras, ritmos ou vozes de certos artistas.

Ao dizer que a música salvou a vossa vida, estão a admitir que a determinada altura da vossa existência estavam em baixo e deram a volta à situação. Conseguiram encontrar força, esperança e coragem para lutar contra todas as adversidades. Só por isso, deveriam estar orgulhosos. Agora a questão é, a vontade de "mudar" parte única e exclusivamente das pessoas, enquanto seres racionais, ou factores externos como uma música podem, de facto, dar um empurrão?

Colocando ideias pré-concebidas de lado, a verdade é que muitas vezes a música é uma forma de escape. Se estivermos a ter um dia mau, pode servir como uma espécie de terapia e ajudar a esquecer, temporariamente, os nossos problemas. Se viverem num ambiente de discussão e gritaria constante, é uma óptima maneira para se tentarem abstrair do caos exterior.

Ao contrário das pessoas, a música não nos julga e, por incrível que pareça, pode descrever melhor que nós aquilo que estamos a sentir. Quantas vezes não damos por nós a ouvir algo que podia ter sido escrito por nós? É uma sensação simultaneamente incrível e bizarra. Por muitas dúvidas que tenha em relação à questão do "salvamento" em si, é impossível negar os benefícios que certas canções trazem para a vida de tantas pessoas.


A música pode salvar uma vida? Já vos aconteceu?

6 comentários:

  1. Eu adoro música! Há vezes em que estou a ouvir uma música e parece que foi escrita para mim porque simplesmente retrata tudo aquilo que sinto!

    Beijinhos
    That Girl

    ResponderEliminar
  2. Eu não diria que a música já salvou a minha vida mas, sem dúvida, que já me deu um grande " empurrão" em fazes da minha vida em que estava mais desmotivada.
    Acredito que certas pessoas já tenham sido "salvas" por uma música, mas acho que não teve única e exclusivamente a ver com a letra da música em si, o momento em que aquela música tocou, o ambiente e as pessoas, certamente, que também tiveram uma grande influência. Acho que esses fatores todos juntos, junto com a dita música, é que determinaram o " salvamento".
    A mim o que me "salva" é escrever. Sinto-me muito melhor depois de escrever nem que seja apenas umas palavras, sempre foi assim que eu me motivei e encontrei forças.
    Beijinhos,
    Cherry
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar
  3. Nunca estive em "perigo de vida" propriamente dito, mas estive muito em baixo quando o meu ex-namorado acabou comigo. Nessa altura, comprei o álbum Fallen Empires dos Snow Patrol e quando ouvi a "This isn't everything you are" foi como se tivesse ali um amigo a ter uma conversa comigo e a dar-me força. Chorei babá e ranho mas ganhei um novo alento :)

    ResponderEliminar
  4. Acho que música nunca me salvou a vida, mas definitivamente salvou a minha felicidade e impediu que caísse no abismo umas quantas vezes. No final do meu namoro de 2 anos, que foi um namoro terrível e me deixou com muitas feridas, apareceu um grupo que me tem acompanhado até agora, e a eles lhes devo o favor de terem impedido que eu caísse num buraco sem fundo. :)

    Lemao Doce text

    ResponderEliminar
  5. Não digo que salve uma vida mas pode dar-nos algumas luzes. Curiosamente, aconteceu-me isso. Há dois anos quando estava a fazer o meu estágio curricular, conciliava com um trabalho que tinha arranjado recentemente numa caixa de um hipermercado. Eu estava a detestar aquele trabalho de caixa, e ao fim de uma semana no estágio ter de ir trabalhar o fim de semana estava a dar cabo de mim porque deixei de ter tempo para as minhas coisas. Nessa altura, a música da "moda" era a "O tempo não pára" da Mariza e foi a analisar bastante bem a mensagem que decidi deixar a caixa de supermercado e juro que me senti muito melhor.

    Cátia ∫ Meraki

    ResponderEliminar

Obrigado pela leitura e comentário!
Eventuais questões serão respondidas aqui, na respectiva publicação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...