Pages

sexta-feira, 17 de junho de 2016

TGW RECOMENDA | Álbuns a ouvir #15



1. Lion Babe | Begin
MUST LISTEN: JUMP HI (ft. Childish Gambino) | WONDER WOMAN | ON THE ROCKS | WHERE DO WE GO | IMPOSSIBLE | TREAT ME LIKE FIRE

As chances de nunca terem ouvido falar de Lion Babe são bastante elevadas. Isso muda agora. Após um período de gestação de quase três anos, o duo formado pela cantora Jillian Hervey (filha da actriz Vanessa Williams) e o produtor Lucas Goodman, navegam por entre o disco, house, e o neo-soul, no disco de estreia. Esta mescla de sons resulta num R&B alternativo pouco inovador mas nem por isso aborrecido.

Begin é a prova de que nem sempre é preciso uma abordagem agressiva na experimentação de sons para se conseguirem bons resultados. Os jovens norte-americanos apostam numa espécie de tributo a cantores e melodias do passado, e o resultado é satisfatório.


2. Seafret | Tell Me It's Real
MUST LISTEN: OCEANS | ATLANTIS | MISSING | WILDFIRE

Se houve álbum que mais ouvi desde que comecei a trabalhar, foi este. Tell Me It's Real é o disco de estreia do duo Seafret e a sua sonoridade acústica recordam-me de nomes como RY X, Bon Iver ou até Ed Sheeran. Por outras palavras, altamente zen e relaxante.

É na simplicidade que os jovens britânicos brilham, especialmente nas baladas. O conjunto de 13 faixas é genuíno, cru e naturalmente emotivo. Os temas não são propriamente mind blowing  amores e relações falhadas  mas ainda assim, a única crítica a apontar são as letras. Não é que sejam más, mas um pouco de conteúdo ajudava, nota-se que precisam de algum amadurecimento.


3. Tom Odell | Wrong Crowd

Quando iniciou a sua carreira em 2012, as expectativas sobre Tom Odell eram estratosféricas. Antes sequer de lançar o primeiro disco, recebeu o seu primeiro BRIT Award, na sequência do sucesso do brilhante single de estreia, "Another Love". Apesar da opinião mista da crítica, o disco atingiu a primeira posição no UK e três anos depois, chega-nos o sucessor, Wrong Crowd.

Além da voz e aura melancólica a que já estamos habituados, fico feliz que os backing vocals ou "vocais de apoio"  dão uma dimensão completamente diferente às canções  e as melodias lideradas pelo piano, continuem a ser o foco principal do artista. Odell volta a provar que, antes de mais, é um compositor. Alguns dos artistas referidos neste quarteto podiam aprender uma coisa ou outra com o jovem britânico. Se andar com a wrong crowd resultou num crescimento evidente e um projecto deste calibre, que continue assim.

4. Flume | Skin
MUST LISTEN: HELIX | NEVER BE LIKE YOU (ft. Kai) | SMOKE & RETRIBUTION (ft. Vince Staples & Kučka) | SAY IT (ft. Tove Lo) | PIKA | INNOCENCE (ft. AlunaGeorge)

Neste segundo álbum, Flume solidifica a sua posição como um dos melhores e mais originais artistas de música electrónica. Skin não é perfeito, mas anda lá perto. Assinando praticamente tudo no disco, o produtor australiano está no seu melhor quando mistura sons que à partida nunca combinariam, mas com o seu toque, originam melodias freneticamente mágicas. 

Com participações de vozes como Tove Lo, Kai, AlunaGeorge, Vince Staples, Little Dragon e Beck, o jovem de 24 anos voltou a oferecer um trabalho coeso, e com uma sonoridade simultaneamente futurista e moderna. Intoxicante, é o sinónimo ideal para descrever esta produção.

OUTROS ÁLBUNS A OUVIR (AQUI)

Já ouviram algum dos quatro álbuns? Qual é o vosso favorito?

1 comentário:

  1. Não conhecia nenhum, mas ouvi as quatro músicas que partilhaste e gostei (= em particular, da segunda e da terceira. Obrigada por ajudares a diminuir a minha falta de cultura musical =P

    ResponderEliminar

Obrigado pela leitura e comentário!
Eventuais questões serão respondidas aqui, na respectiva publicação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...