Pages

quarta-feira, 16 de março de 2016

Jogging to Hell


Após um longo período vegetativo, no ano passado, tive um vislumbre do que seria uma vida mais activa. Completei um plano de exercício de dois ou três meses, do qual falei (AQUI), fiz caminhadas e tentei começar a correr. Ênfase na palavra tentei

Uma vez que, na era pré-histórica das aulas de educação física, as minhas actividades favoritas pertenciam à vertente de atletismo (leia-se, salto em altura, comprimento e estafetas), pensei que aguentaria bem com as corridas. Bastou-me fazê-lo umas duas vezes para perceber que não era assim tão simples. Pode ser gratificante, mas consigo apontar uma mão cheia de dificuldades nada agradáveis.


#1. Mirones
Gostava de ser uma daquelas pessoas que não se importa com a opinião dos outros, mas não sou. Fico genuinamente desconfortável se estiver a correr e passarem carros ou pedestres por mim. Na minha cabeça perturbada, não há espaço de manobra, penso sempre que vão gozar comigo. A vergonha é tanta que fico mais embaraçado que uma prostituta na Igreja. Só de saber que me estão a ver, todo desengonçado e despenteado, dá-me vontade de cair numa valeta.

#2. Dor de burro
Qual dor de costas, mais famosa do mundo será sempre a de burro. De todas as vezes que fui correr era perseguido por esta maldita maleita metafórica. Será que se tivesse continuado a correr a sensação penosa passaria ou é algo permanente? Tão cedo não vou descobrir. 

#3. Cabelos ao vento
Engane-se quem pensar que os rapazes não sofrem com problemas de foro estético-capilar. Enquanto as raparigas podem fazer um rabo de cavalo e estão prontas para um furacão, connosco não dá. A não ser que tenham um corte muito curto ou mais longo, só nos resta penteá-lo de dois em dois minutos ou parecermos loucos todos despenteados. Além de irritante, desconcentra-me imenso. Se ao menos ficasse bem de boné, mas nem isso.

#4. Fones em queda-livre
Entre este ponto e o anterior nem sei qual me irrita mais. Não bastava ter dor de burro e ficar despenteado, como ainda tenho que estar constantemente a enfiar os fones nos ouvidos. Pudera que tenha tanto medo que me vejam a correr. Não sei que truque de magia as pessoas utilizam para conseguir manter os fones no sítio, mas gostava.

5. Boxers = Demo
Os soutiens são para as mulheres o que os boxers são para os homens, uma obra do demónio. Sim, oferecem o suporte necessário mas, neste contexto, não consigo encontrar um único factor positivo. Mesmo que sejam especificamente de desporto, o desconforto na zona das virilhas merecia uma dissertação. A cada passada os calções puxam-os para cima, apertando a circulação e massacrando a zona envolvente. Finalmente compreendo o porquê dos jogadores de futebol serem todos fãs do clássico cuecão branco. Se um dia voltar a correr, já sei em que investir.


Gostam de correr? Já passaram por algum destes inconvenientes?

14 comentários:

  1. Desculpa-me, mas foi impossível não me rir com algumas passagens. Quando comecei a correr também tinha mil e uma pancas: achava que toda a gente que passasse por mim iria gozar porque sabiam (sabe-se lá como) que eu ao fim de cinco minutos já só me queria atirar para o chão e desistir e na minha cabeça ouvia-as dizerem "lá vai aquela a correr... olha para ela: nem cinco minutos aguenta. Ahahahah", mas mais tarde livrei-me desses pensamentos porque comecei a ver pessoas a correr e a pensar "caraças, este sim é saudável. Devia fazer o mesmo" e passei a acreditar que é isso que as outras pessoas pensam sempre que eu passo por elas a correr e elas vão a caminhar ou de carro. Resultou!
    Quando à dor de burro também a tive nos primeiros tempos, mas depois passou. Correr com música é muito melhor do que correr sem ela, mas a queda constante dos fones começou a irritar-me tanto que agora quando corro na rua vou só com o barulho dos meus pensamentos e só uso os fones quando corro na passadeira do ginásio. Se descobrires o que faz com que eles permaneçam no mesmo sitio faz o favor de me avisar, sim? :)
    Não sabia essa coisa dos boxers, mas ri-me tanto xD
    Boas corridas!

    ResponderEliminar
  2. Eu fiz meia dúzia de abdominais e no dia a seguir tinha as costelas pisadas. Não aguento, haha!

    ResponderEliminar
  3. Eu gosto de correr, mas detesto correr sozinha, sinto-me demasiado exposta aos "mirones", como tu tão bem referiste =P Os cabelos ao vento não me incomodam, porque normalmente corro com o cabelo bem preso =P

    ResponderEliminar
  4. Este post é genial! Eu sofro MUITO do primeiro mal desde que um velho se virou para mim e me disse "Olha uma gorda a correr". Desde aí, qualquer pessoa que passe é a maior vergonha da minha vida. Por isso comprei uma corda e salto à corda em casa ou em espaços em que as probabilidades de me cruzar com alguém sejam nulas!

    Marli, do My Own Anatomy ✫

    ResponderEliminar
  5. Eu ainda tenho educação física e sofro imenso com dores de burro xD Normalmente aplicar pressão com o braço/mão costuma resultar (mas imagino que seja super constrangedor andar na rua assim ahahahah)

    ResponderEliminar
  6. Ahah, o que eu me ri. Sinto-me profundamente identificada com esta tua situação, porque sou igual. No mês passado também decidi começar com umas caminhadas e depois uma tentativa de corridas. Sem dúvida, os mirones são horríveis, porque sempre que passa um carro eu penso "ai, agora não posso parar, se não vão gozar". Vendo bem, isto até pode ser motivador.xD Mas por enquanto caminho mais do que corro.

    Another Lovely Blog!, http://letrad.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  7. Sempre fui uma preguiçosa assumida. Nunca gostei de ginásios nem de nada que exigisse de mim muito esforço físico. No entanto, a corrida sempre me pareceu aquele exercício que eu até era capaz de fazer com alguma motivação. Infelizmente, por motivos de saúde, não posso meter-me nisso. Fico-me pelas caminhadas diárias, o que já não é nada mau!

    ResponderEliminar
  8. Admito que algumas passagens do teu texto deram-me vontade de rir, mas compreendo-te perfeitamente. Eu odeio correr. Aliás, é que nem para apanhar transportes públicos o faço, a não ser que esteja mesmo muito atrasada. Esta era sem dúvida uma das partes que eu mais odiava de educação física - não que houvesse alguma que eu gostava, para além do momento em que a prof. dizia que a aula tinha acabado. Por experiência própria eu acho que a dor de burro só acaba mesmo connosco parados e a descansar. Honestamente ou o pessoal que vejo a correr aguenta bem as dores, ou então tem um poder qualquer para afastar a dor de burro que só eles conhecem. Olha deixa que isto de soutiens desportivos também é tudo um bocado treta. Eu nunca achei que eles fornecessem grande suporte, e nem sequer sou assim avantajada, pelo que qualquer soutien de desporto normal deveria funcionar. Eu cá concluía é que correr é mesmo uma obra do demo.

    ResponderEliminar
  9. Eu bem que tentei correr uma vez e até que consegui chegar ao destino desta forma, mas prometi que nunca mais! XD Correr não é para mim, definitivamente. Prefiro dançar durante horas a fio do que desafiar e cortar pela atmosfera fora!

    A Vida de Lyne

    ResponderEliminar
  10. Já passei pelos cinco inconvenientes que apresentaste e por isso detesto correr, para além de achar uma pasmaceira e parecer que estou sempre a desfilar em passo rápido.
    Sobre os fones tenho uma dica que comigo resulta, isto se forem aqueles pequenos. Em vez de meter o fone no ouvido e deixar o fio a cair, levanto o cabo e passo-o por trás da orelha (estilo apresentador de televisão) e depois por dentro da camisola/t-shirt. Nunca cai! Experimenta ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se não me engano, na altura, encontrei um sistema qualquer semelhante para manter os fones no sítio. Provavelmente terá sido algo desse género!

      Eliminar
  11. Posso dar-te um truque para tirares as dores de burro? Quando treinava para as provas de maratona resultava muito bem!
    As dores de burro são o alerta que o teu corpo dá para dizer que estás a respirar mal. Das duas uma, ou dás mais passadas do que os teus pulmões permitem, ou hiperventilas em passadas lentas. O ideal é inspirarmos quando pousamos um pé e expirarmos quando pousamos o outro (cenas de especialistas que temos de fazer de forma natural, senão vamos parecer uns palhaços a correr). De qualquer forma, quando tiveres dores de burro, pára, entrelaça os dedos e levanta os braços o mais alto que puderes enquanto inspiras (e tem de ser uma inspiração convicta! :D). E depois deixa-te descair e dobra-te descontraído enquanto expiras. Se fizeres isto duas ou três vezes não só as dores passam como até ganhas um bocadinho de vigor. Tem é de ser com calma, sem pressas.
    Não sei se já tinhas ouvido este conselho, mas senti-me no dever de partilhar contigo uma forma de eliminar uma dor horrível! Boas tentativas de corrida! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca tinha ouvido tal coisa! Até fiquei com vontade de voltar a correr só para poder testar o teu truque haha. Thanks!

      Eliminar
  12. Estamos completamente contigo!! ahah
    E depois queremos resolver todos estes passos num curto espaço de tempo e a paciência (ou a falta dela) é algo que se faz notar, por estes lados... a par da preguicite aguda!

    ResponderEliminar

Obrigado pela leitura e comentário!
Eventuais questões serão respondidas aqui, na respectiva publicação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...