Pages

sexta-feira, 18 de março de 2016

CINEMA | Pocket Reviews #17


Classificação IMDb: 4.6/10
Classificação Ghostly Walker: 2/10


Uma família muda-se para uma casa nova e descobre uma caixa com dezenas de cassetes de vídeo antigas. Quando as decidem ver, apercebem-se de algo bizarro, as imagens parecem comunicar directamente com eles. Simultaneamente, começam a ocorrer fenómenos paranormais que colocam a segurança da família em causa.

Sou o primeiro a admitir que passei noites acordado com medo do Paranormal Activity (2007). Riam-se se quiserem, mas é verdade. Por se tratar de um tipo de terror psicológico e gravado de modo quase amador, mexeu comigo. Infelizmente, o mesmo não pode ser dito sobre o resto da franquia.

Como de costume numa saga desta dimensão, uma história que criativa origina réplicas preguiçosas, cujo único propósito é facturar milhões. Ghost Dimension é o melhor exemplo desta moda. O último capítulo não podia ter sido pior. Arrisco-me a dizer que é mesmo o pior de todos. 

Prometeram que todas as questões seriam finalmente respondidas, não estava à espera é que se superassem na mediocridade. Curiosamente, o principal factor negativo é o uso vergonhoso dos efeitos especiais. A essência "caseira" que conquistou tantos fãs, morreu. Esperemos que continue assim.


Classificação IMDb: 4.9/10
Classificação Ghostly Walker: 6/10
Informada sobre o desaparecimento da sua irmã gémea na floresta de Aokigahara, no Japão, Sara teme o pior. Famosa por ser o local escolhido por centenas de suicidas, também são muitas as histórias relacionadas com fantasmas dos que morreram e de espíritos malignos característicos da mitologia japonesa. Decidida a encontrar Jess, a sua irmã, Sara ignora todos os avisos contrários e entra na floresta. Rapidamente a jovem percebe que cometeu um erro enorme. 

Liderada por prestações convincentes de Natalie Dormer (Game of Thrones e Hunger Games) e Tyler Kinney (Chicago Fire), foi o melhor filme de terror que vi nos últimos tempos. Dito isto, está a milhas de distância da perfeição. Tendo em conta que a fasquia deste género cinematográfico é tão baixa, algo que seja minimamente diferente já me deixa entretido. 

As referências aos mitos da cultura japonesa são extremamente interessantes e, juntamente com cenas bastante creepy, um dos pontos positivos do filme. Quando tudo parecia encaminhado, a meio da história há uma quebra na qualidade narrativa, culminando num final altamente previsível e insonso.


Classificação IMDb: 3.8/10
Classificação Ghostly Walker: 3/10



Duas raparigas são sequestradas por um grupo de fanáticos que acreditam no poder do martírio e sacrifício. Crentes de que novos conhecimentos podem ser obtidos através de tortura psicológica e física, uma das jovens é exposta a cruéis actos de violência. Quando a amiga consegue escapar, só lhe resta fazer com que o culto pague pelos seus crimes.

O cinema americano voltou a atacar e a re-filmar uma longa-metragem estrangeira. Dirigido pelos irmãos Kevin e Michael Goetz, Martyrs é um remake do francês de 2008. Sou suspeito por não ter visto o original, mas tendo em conta que foi aclamado pela crítica enquanto que esta versão foi deixada para morrer na beira da estrada, tirem as vossas próprias conclusões.

Protagonizado pela Troian Bellisario aka a Spencer das Pretty Little Liars, é uma história de vingança pura. Com imagens de violência gratuita contra mulheres, cenas de tortura chocantes e sangue à mistura, nem todas as pessoas terão estômago para assisti-lo.

O único motivo pelo qual não recebeu uma cotação mais baixa, é pelo teor fresco da exploração dos eternos mártires. Só é uma pena que se tenham esquecido de tudo o resto: boas interpretações e um guião inteligente.


Classificação IMDb: 4.4/10
Classificação Ghostly Walker: 2/10
Uma rapariga é misteriosamente morta depois de se gravar a jogar, sozinha, com uma tábua de Ouija. Recusando-se a acreditar que a melhor amiga se suicidou, Laine convence os restantes elementos do seu círculo de amigos a investigar. O grupo de jovens acaba por tentar contactar a amiga no além, através da placa  da Ouija, mas eventualmente apercebem-se que cometeram um terrível erro ao abrirem um portal para o mundo dos mortos.

Pensar que estive quase dois anos a querer ver este filme. A premissa é razoável, mas muito mal aproveitada. Os elementos típicos do género estão lá: o plot twist, a heroína teimosa, as personagens secundárias — que só servem para irem morrendo enquanto os protagonistas sobrevivem, obviamente, a tudo —,e a lição de moral mais antiga que o Ambrósio, "não se brinca com os mortos".

Ouija tenta causar medo mas, não passa de um terror genérico e até infantil. O guião não presta, está mal realizado e chegamos ao final com uma sensação de perda de tempo. 

O elenco conta com nomes conhecidos das séries norte-americanas, como Olivia Cooke (Bates Motel) e Shelley Hennig (Teen Wolf). Ainda bem que ambas têm outros trabalhos, porque este projecto é uma nódoa no currículo.

Já viram algum dos quatro filmes? Qual é o vosso favorito e o que gostaram menos?

8 comentários:

  1. Odiei o The Ghost Dimension. E sim, também passei umas quantas noites acordadas com o primeiro Paranormal Activity, mas como em todos os filmes de terror, é só o primeiro que me diz alguma coisa. O próximo é com certeza a Floresta. Recentemente, também vi o Creep e gostei bastante. Uma onda diferente, não diria assustador mas mexe um pouco com o sistema nervoso.

    ResponderEliminar
  2. O "The Forrest" tenho para ver mas ainda não peguei nele mas pela tua critica, fiquei com vontade. O "Martyrs" vi 10mn do original e parei. "Ouija" não gostei.

    ResponderEliminar
  3. Já tinha visto alguns deles nos catálogos, mas depois destas reviews, não sei se lhes meto a vista em cima! x)

    R.: Talvez com as férias me sinta mais inspirada para escrever qualquer coisa... Se já ando assim no secundário, então com a universidade à porta nem sei! x)
    Obrigada pelas palavras!

    ResponderEliminar
  4. Eu adoro filmes de terror, mas é impressão minha, ou ultimamente a qualidade deixa muito a desejar... Acho que os últimos que vi, que achei bons, foi o Orphan e o Mama, ou seja, já há bastante tempo :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não podias estar mais certa, a qualidade dos filmes de terror tem caído a pique nas últimas décadas. Por acaso não achei o "Orphan" e "Mama" nada de jeito, mas ainda assim, há bem piores.

      Eliminar
  5. Confesso que não vi nenhum... eu e os filmes de terror, não combinamos muito bem xD e estes aqui, bem... o imdb pontuou mesmo baixo

    ResponderEliminar
  6. Destes filmes só conheço mesmo o Paranormal Activity, embora nunca o tenha visto. Eu costumava todos os anos incluir estes filmes nas minhas listas anuais de filmes para ver, mas depois de ver os trailers, ficava sempre com a ideia que o enredo era basicamente sempre a mesma coisa, com detalhes diferentes aqui e ali, então acabei por começar a deixar estes filmes de fora das minhas listas.

    Fiquei bastante curiosa com "The Forest" pela tua descrição, e depois de ver o trailer fiquei ainda com mais curiosidade. Penso que será para ver no futuro, mas de preferência à luz do dia para tornar a coisa menos creepy.

    R.: não podia concordar mais contigo; o que não falta nas séries da Shonda Rhimas é mortes vindas do nada. Ainda estou para ver como será na nova série dela. E sim são todas viciantes; até mesmo a Grey's que já vai na 12ª. Este último episódio foi espectacular, mas admito que aquele "wow" da primeira temporada vai ficar para sempre só nessa temporada, em grande parte por ter sido mesmo a temporada de estreia da série. Só espero é que esta seja uma excepção a muitas séries que por aí se veêm que perdem muito facilmente o gás que tinham nos primeiros tempos.

    ResponderEliminar

Obrigado pela leitura e comentário!
Eventuais questões serão respondidas aqui, na respectiva publicação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...