Pages

domingo, 28 de fevereiro de 2016

CINEMA | Pocket Reviews #16

Classificação IMDb: 7.2/10
Classificação Ghostly Walker: 7/10
Jules Ostin, fundadora e directora executiva de uma empresa que vende roupa online, aceita participar de um programa de sensibilização da comunidade para o bem-estar da terceira idade. Nesse contexto, conhece Ben Whittaker, um homem de 70 anos que encontra no estágio sénior a oportunidade de escapar ao tédio da reforma. Olhado com desconfiança ao princípio, acaba por se tornar no "pai" do escritório, conselheiro e optimista. Quando Jules vê a sua liderança questionada por accionistas da sua própria empresa, que a consideram demasiado jovem para decisões importantes, tudo muda.

Por entre centenas de produções pouco originais e clichés, são poucas as que nos conseguem tocar. Esta foi uma delas. Sim, é o típico filme de fim-de-semana, mas por incrível que pareça, surpreendeu-me pela positiva. Nunca pensei que a combinação Hathaway + De Niro funcionasse mas derreti-me com a evolução da relação das suas personagens. É o tipo de histórias que nos aquece o coração e nos faz rir ao mesmo tempo.

Com realização e argumento de Nancy Meyers, The Intern é uma comédia sobre segundas oportunidades com um elenco de luxo como Adam DeVine, Nat Wolff, Christina Scherer, Anders Holm e Zack Pearlman.


Classificação IMDb: 6.8/10
Classificação Ghostly Walker: 5/10
No mesmo dia em que Elle Reid termina com a sua namorada, a neta Sage aparece em sua casa a precisar de 600 dólares até ao final da tarde. Temporariamente falidas, avó e neta passam o dia a tentar arranjar dinheiro, enquanto as suas visitas inesperadas a velhos amigos e antigas paixonetas acabam por desenterrar segredos. As duas enfrentam uma viagem em que Elle terá que confrontar o passado e Sage preparar-se para o futuro.

Aclamado pela crítica, Grandma tinha tudo para dar certo mas não me convenceu. Escrito e dirigido por Paul Weitz  que criou o papel de Elle especificamente para a soberba Lily Tomlin , é um filme sobre mulheres. 

São raras as ocasiões em que conseguimos ver três gerações de mulheres reflectirem sobre questões pertinentes como amor, sexo e aborto na grande tela. Weitz fez um trabalho cuidadoso, e que aprecio, ao utilizar as referências correctas à cultura lésbica e direitos do movimento feminista. Por muito complexa que a personagem Elle, a execução da longa-metragem deixou-me com uma enorme sensação de bocejo permanente. Tratando-se de uma história que merece ser contada, é uma pena.


Classificação IMDb: 5.9/10
Classificação Ghostly Walker: 2/10
Há três dias atrás, Dillford era uma cidade calma onde todos seguiam as suas vidas normalmente: os vampiros no topo da pirâmide social, os zombies na base os os humanos sobrevivendo pelo meio. Com a chegada de uma invasão alien, o apocalipse é instalado e o balanço destruído. Face a esta situação, três adolescentes, um humano, uma vampira e um zombie, unem forças para se livrarem dos extraterrestres e restaurar a ordem da pequena cidade.

Que valente bosta. Quando pensei já ter visto de tudo, heis que sou surpreendido com uma produção de fundo de escada que enaltece tudo o que há de errado na cultura popular actual. O argumento "é uma sátira" é a desculpa ideal mas, aqui, não cola. 

Qualquer tentativa de comic relief só conseguiu provocar vergonha alheia. Se a Vanessa Hudgens não tivesse brilhado no musical Grease, diria que esta tinha sido a última cartada na sua carreira de actriz. 

Quanto ao protagonista, não existem palavras suficientes para descrever o quão infeliz ele é. Digamos que o responsável pelo casting de Freaks of Nature merecia ser despedido, juntamente com o autor, claro. 


Classificação IMDb: 6.4/10
Classificação Ghostly Walker: 2/10


Contrariado com a mudança da agitada cidade de Nova Iorque para a aborrecida Greendale, Zach Cooper muda de ideias após conhecer Hanna, a vizinha do lado. Proibido de visitá-la pelo seu pai, o jovem fica em choca ao descobrir que o homem se trata do escritor mundialmente famoso R. L. Stine (conhecido por várias colecções juvenis de histórias de terror), e que, trancados na sua biblioteca privada, estão todos os monstros por si criados nos livros que escreveu. Quando as criaturas se libertam dos manuscritos, os jovens e o escritor terão que arranjar maneira de os capturar e enviá-los de volta para o lugar de onde nunca deveriam ter saído.

Fã da série televisiva "Arrepios" que passava aos fins-de-semana de manhã na SIC, fiquei entusiasmado com a notícia de que seria feita uma adaptação cinematográfica. Que valente murro no estômago. Se a decepção matasse, estaria morto e enterrado.

O casal protagonista é o maior cliché de sempre. O típico rapaz bonitinho com geito de engatatão e a rapariga misteriosa (cuja expressividade rivaliza com a da Kristen Stewart), ambos com uma necessidade tremenda de umas aulas de representação. E depois temos o Jack Black, outrora considerado um dos grande nomes da comédia norte-americana e que agora aceita projectos preguiçosos e absolutamente ridículos como este.

Já viram algum dos quatro filmes? Qual é o vosso favorito e o que gostaram menos?

8 comentários:

  1. Fiquei curiosa com o primeiro filme (:

    ResponderEliminar
  2. Eu quero ver o The Intern!!! Parece ser mesmo o meu tipo de filme =P

    ResponderEliminar
  3. eu adorei o intern está simplesmente fantástico!

    ResponderEliminar
  4. Destes, só vi mesmo o primeiro e subscrevo completamente a tua crítica. Também não esperava que a conjugação resultasse e surpreendeu-me pela positiva. É do tipo de filmes soft que gosto de ver de quando em vez, quando não me apetece pensar muito. De resto não vi nenhum e apesar da crítica negativa relativamente ao segundo, fiquei curiosa (nem que seja pela história).

    ResponderEliminar
  5. Dos quatro filmes que nos apresentas, só assisti ao primeiro e que, por acaso, adorei bastante! Apesar de já ter visto uma outra opinião positiva, fiquei um pouco com o pé atrás (ultimamente ando assim com quase todos os filmes x)). Desde a banda sonora com músicas bastante atuais (não estás bem a ver a festa que fiz quando a "i" do Kendrick Lamar começou a tocar), à história central, a verdade é que me surpreendi! Dos restantes filmes de que falas, nunca os tinha colocado a vista em cima!


    R.: Mal comecei a minha vida de artista e já tenho de levar com estas coisas. Tal como aprendi a fazer com muitos outros assuntos, a melhor solução é ignorar as reações e as bocas sujas... E sim, acho que Portugal deveria apostar e divulgar muito mais acerca do tema "Artes", sem fazer parecer que é uma área digna de "preguiçosos". Existe tanto que esta área nos pode dar que nem passa pela cabeça de muitas pessoas! Mas fazer o quê, não é verdade? Enquanto der para isso, desistir nunca será opção!


    A Vida de Lyne

    ResponderEliminar
  6. Por achar que se calhar não traria nada de novo, tenho vindo a adiar ver "The Intern" mas, depois de ler a tua pequena crítica, tenho de lhe dar uma hipótese num dia destes. Os restantes filmes não conheço, mas pelos teus comentários, se calhar não estou a perder grande coisa.

    ResponderEliminar
  7. Gostei muito do "The Intern" e os outros não quero ver.

    ResponderEliminar

Obrigado pela leitura e comentário!
Eventuais questões serão respondidas aqui, na respectiva publicação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...