Pages

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Carnaval só se for para ti

Imagem original: x

Carnaval. Época de folia e diversão. Grupos de amigos combinam o que vestir e partem para a selva dos disfarces e do álcool. Corpos despidos exibem-se em cima de carros alegóricos, agitando-se como um candeeiro de lava, e ferindo os olhos dos pedestres no processo. 

Homens, outrora machos latinos, vestem-se de mulheres e ganham um brilho felino no olhar assim que a brisa lhes bate na cabeleira. É o show das poderosas, dizem. Mulheres desenham bigodes de gato, vestem uma mini-saia, um top preto e estão prontas para uma tigela de leite. Criança que é criança tem que se mascarar e comprar serpentinas, se não é motivo de escândalo na escola.

Não sou moralista, conservador ou hipócrita. Na primeira classe mascarava-me  fui palhaço, cowboy e Drácula , não propriamente por gostar (excepto o último), mas por pressão da sociedade. Afinal, o Carnaval português não passa de um filho bastardo dos nossos irmãos do outro lado do Atlântico. Uma tentativa medíocre de replicar o esplendor e negócio que origina milhões, e que aqui serve como desculpa para meter as nádegas a arejar e não ser crucificado em praça pública.

Criado numa cidade em que este é apenas mais um dia do ano e se tiver sorte, feriado, nem três anos de estudante em Sesimbra ou uma visita a Torres Vedras foram o suficiente para me convencer. Viva à alegria e criatividade, mas calma. Vergonha alheia tem limites. A bolha actimel existe e merece ser respeitada.

Música? As mesmas cinco canções brasileiras de há dez anos fazem-se soar, repetidamente, como a corneta do apocalipse, sob uma multidão que nem sabe o que é samba mas tira o pé do chão se ouve poeira. Entre gritos animalescos e engates, ao final da noite impera a questão, afinal o cheiro na rua é a cerveja derramada ou mijo? Provavelmente os dois. 

Não há problema. É Carnaval, ninguém leva a mal.

22 comentários:

  1. oi oi.

    particularmente, eu gosto do Carnaval. acho que aqui as coisas são um pouco diferente daí, porque no Brasil não há essa pressão toda por fantasia e bla bla bla. por aqui tu pode ir fantasiado ou não e mesmo assim será recebido. talvez seja o espírito dos brasileiros que é assim, sei lá...

    de qualquer forma, eu entendo o seu lado de não curtir tanto a festa. cada um é cada um, né? sei que tu deve aproveitar essa época pra fazer outras coisas, afinal, Carnaval é sinônimo de animação e tu pode se divertir de outras formas, tipo vendo seriado. :D

    abç!
    Não me venha com desculpas

    ResponderEliminar
  2. Ena quanta negatividade! Pois eu festejo o Carnaval desde que sou miúda, com direito a disfarces, e garanto-te que nunca fui de perna ao léu ;) não generalizemos. O que passa na TV são as miúdas semi-nuas, mas saíndo à rua não é tanto isso que se vê. Vê-se muito álcool, sim, como em qualquer festa que envolva malta nova. Se concordo com isso? Não, acho degradante. Mas a culpa não é do Carnaval, porque brincar durante um dia nunca fez mal a ninguém :)

    Jiji

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como qualquer generalização, existem sempre excepções. Só porque tu não vais de "perna ao léu" não muda o facto da maioria o fazer. Não falo de uma perspectiva de quem acompanha pela televisão, como referi no texto, já saí à rua.

      Eliminar
  3. Experimenta vir um dia a Torres Vedras! Mais do que um talvez, vem com amigos teus e vem convencido que aquilo é uma chatice! Depois, quando encontrares o toca andar entra para dentro do corso e da multidão! A sério, experimenta! Vais gostar muito :)) Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Mascarava-me na primária e depois deixei-me disso até ao ano passado. :)

    ResponderEliminar
  5. Couldn't agree more! Não sou nem nunca fui pessoa de Carnaval - obrigado à mamã por não me obrigar a participar nos desfiles enquanto criança!
    Convidaram-me a ir a um jantar de Carnaval, agradeci o convite mas não fui. Resultado, fiquei vista como anti-social. Let me be...

    ResponderEliminar
  6. Também não gosto muito do Carnaval, mas sexta tenho uma festa e acho que vou adorar! :)

    http://rapazdobuzio.blogspot.pt/2016/02/you-can-be-alice-ill-be-mad-hatter.html

    Vê o meu último post! Feliz Carnaval! :)

    ResponderEliminar
  7. A sua descrição não difere do carnaval na maior parte do Brasil. O que rende milhões é o carnaval das escolas de samba do Rio e São Paulo. O restante são blocos de rua tradicionais, para acontecerem prefeituras injetam grandes quantidades de dinheiro público para contratar cantores nesses dias de festa e trazerem foliões de outras cidades para movimentarem a economia local, quando não é assim, é por pura tradição. Os machões que passam o ano a condenar travestis e transexuais, vestem-se de mulher nessa época contrariando toda lógica quando dizem que essas são homens vestidos de mulher, seguindo a lógica deles, também são mulheres trans nesses cinco dias de festa. Se o carnaval em Portugal é uma importação brasileira não sei. No Brasil acontece há muitos anos, sendo este uma ex-colônia portuguesa o pergunto, por ai não existia nenhuma comemoração antes dos últimos dez anos, os quais você se refere? Os arrais aqui acontecem há seculos aqui, ai parece que também. O carnaval acontece em boa parte do mundo ocidental não é exclusividade brasileira, pode ser o mais famoso.
    Apesar das quantidades enormes de banheiros químicos espalhados pelos locais de festa as cidades fedem a mijo, mesmo sendo crime urinar em via pública.

    ResponderEliminar
  8. Eu não sou nada fã do Carnaval. Também me lembro de me mascarar quando era mais nova e da exclusão que havia para quem não se mascarava.
    Acho também que temos um Carnaval engraçado. Não o Carnaval que falas, da triste tentativa de nos apropriarmos (em mau) duma tradição que não é nossa nem faz sentido por cá com o tempo que temos, mas o Carnaval da sátira, do gozo, das identidades escondidas.
    Seja como for, o que eu gosto mesmoooo no Carnaval é da tolerância de ponto.

    ResponderEliminar
  9. Muito bom, haha! Deve ser o teu post mais divertido, principalmente ali os dois primeiros parágrafos. Como já referi no meu blog, adoro disfarces, mas o nosso Carnaval das ruas é a coisinha mais deprimente e sem nível que já vi. Fujo para longe!

    Perdida em Combate

    ResponderEliminar
  10. Texto 5 estrelas! Ou 6! Descreve muito o que sinto.
    O Carnaval português hoje em dia não passa de uma cópia forçada do brasileiro. E que sentido isso tem? Nenhum! Estamos em fevereiro, está um gelo desgraçado e é socialmente aceitável andar de rabo e maminhas ao léu a sambar pela rua fora? Boa! Não se esqueçam de fazer um campeonato de jogos de inverno em pleno agosto já agora!

    Em pequena mascarava-me e até acho piada a disfarçar-mo-nos de alguma coisa, apesar de não o fazer há anos. Mas com o passar do tempo, o Carnaval passou a ser uma coisa ridícula e deprimente com o qual não consigo concordar nem gostar por isso deixei de festejar...
    Mas há algumas terrinhas do nosso país que até têm tradições bem engraçadas, é o caso dos Caretos em Macedo de Cavaleiros. Já é uma tradição muito antiga e achei giro quando descobri! :)
    xx, Ana

    The Insomniac Owl Blog

    ResponderEliminar
  11. Eu nasci em dia de Carnaval e nem assim consigo gostar dessa festividade... Só isso e o dia das bruxas, para mim não fazem sentido nenhum!

    ResponderEliminar
  12. Nao podia concordar mais com o teu texto! Eu, juro-te, não sou grande fã do carnaval, mascarei me até ao quinto ano e a partir dai achei wue ja tinha cabecinha para recusar participar nesta época do ano, ainda sou olhada de lado por não gostar do carnaval, nem me mascarar.
    xx, http://neverforgottenmercury.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  13. Eu adoro o Carnaval. Divirto-me sempre imenso e lá está, é a desculpa para pôr as nádegas à mostra ahahahahaha (quase, com este frio)

    ResponderEliminar
  14. Vou ser sincero o Carnaval não é das épocas que eu mais goste. Na verdade nem percebo bem o propósito daquilo (também nunca pesquisei sobre). No entanto este ano, tal como o ano passado, festejei com os meus amigos e nem por isso me mascarei.
    Não vejo onde está a pressão que a sociedade te impõe. Todos os meus amigos foram mascarados mais uns milhares de pessoas que pelas ruas andavam e lá estava eu sem disfarce algum como tantos outros (numa minoria) e diverti-me imenso na mesma com eles. Talvez tu é que colocas essa pressão sobre ti e não te libertas.
    "Não sou moralista, conservador ou hipócrita." nos primeiros parágrafos pareceste. Hoje em dia elas não precisam de Carnaval para andarem quase despidas. E fazem elas muito bem em andar assim se têm essa vontade. Já muitos deles queriam se poder vestir de mulher todos os dias e não o fazem porque a sociedade ainda não é capaz de tratar a comunidade LGBT com normalidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Constatar uma realidade óbvia não me torna, de modo algum, "moralista, conservador ou hipócrita". Como mencionei no texto, "a pressão social" que senti em mascarar-me ocorreu quando frequentava o primeiro ciclo... Não apreciar o Carnaval não tem nada a ver com "libertar-me" ou não.

      Eliminar
    2. O que estava a tentar dizer é que não te libertas nestas alturas porque sentes que tens de estar mascarado. Sentes-te mal ou observado só por não fazeres parte do "grupo" da maioria. Pelo menos é o que me deu a entender o texto. E sim, senti-te moralista e conservador neste texto. Mas se dizes que não o és quem sou eu para duvidar.

      Eliminar
  15. Moro no Brasil, mas precisamente em Salvador, onde o carnaval é considerado "a maior festa de rua do planeta" e faço de tudo para sair daqui nessa época. Esse ano fui para outro estado e confesso que foi o melhor que fiz. Não gosto da festa e não me sentiria bem nela. Posso parecer meio anti-social para alguns, mas não me importo muito, pois acredito que a minha vontade prevalece e não a opinião dos outros.

    http://apaixonadaporfinaisfelizes.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  16. Pelo que se lê nalguns comentários... Não é não gostar das estravagâncias e euforias do Carnaval que faz de uma pessoa conservadora. Não é por preferir calças a saias que faz uma mulher ser conservadora. Isto tem a ver com gostos e opiniões pessoais, e nada mais. Agora o que faz de uma pessoa conservadora é esta não querer ver e não aceitar que o mundo à sua volta está em constante mudança e evolução, mesmo que desgoste ou não concorde com o que vê.

    Mas em relação ao texto. Para mim está absolutamente fantástico. Eu só liguei a esta altura do ano enquanto andei na Primária, e depois daí o interesse foi-se desvanecendo aos poucos. E agora o Carnaval é algo que eu ignoro por natureza.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Precisamente! Infelizmente nem todas as pessoas conseguem ver o mundo de maneira imparcial.

      Eliminar
  17. Não sou fã do Carnaval, confesso. Talvez por isso concorde com tudo :p

    ResponderEliminar

Obrigado pela leitura e comentário!
Eventuais questões serão respondidas aqui, na respectiva publicação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...