Pages

domingo, 13 de dezembro de 2015

CINEMA | O que tenho andado a ver #8


A selecção de filmes que se segue abrange vários tipos de orientações sexuais e alguns são de carácter sexual "explícito". Se não se sentirem à vontade com cenas gays/lésbicas/bissexuais e de nudez ou por outras palavras, forem homofóbicos/pudicos, aconselho-vos a ignorarem esta publicação.

Classificação IMDb: 7.9/10
Classificação Ghostly Walker: 7/10
Zach (Trevor Wright) abandonou o sonho de estudar Artes Plásticas para cuidar da família. Com o tempo dividido entre o trabalho e o sobrinho de 5 anos, mal consegue dedicar-se aos seus passatempos favoritos: surf e graffiti. Tudo muda quando Shaun (Brad Rowe), um escritor gay de 30 anos e irmão mais velho do seu melhor amigo volta para a cidade. Os dois passam a surfar juntos e o que não passava de uma simples amizade, acaba por evoluir muito mais do que estavam à espera. Zach descobre o desejo e vai ter que aprender a conciliar responsabilidade, amor e ambição.

Deparei-me com este filme no top de favoritos de um utilizador do IMDb. Intrigado por se tratar de uma das poucas produções lgbt com uma boa cotação, resolvi perceber se a opinião geral se justificava. Embora não seja, de longe, uma obra-prima, e do orçamento parecer escasso, acaba por ser um romance como outro qualquer.

Os actores principais fizeram um trabalho decente, mas o elenco secundário deixa um pouco a desejar. A história é um cliché enorme, mas o facto de ser o único filme gay/lésbico a ter um final feliz, compensa a falta de criatividade.


Classificação IMDb: 5.6/10
Classificação Ghostly Walker: 6/10


O artista visual Freddy (Sebástian Silva) e o carpinteiro Mo (Tunde Adebimpe) estão decididos a ter um filho. A amiga do casal, a enfermeira Polly (Kristen Wiig), entusiasmada com a ideia, tenta sem sucesso ser inseminada por Freddy, que é praticamente infértil. Enquanto esta família moderna tenta engravidar, são surpreendidos pelas acções de um vizinho indigente.

Ao ler o título do filme e que a Wiig entrava, preparei-me para uma comédia. Depressa me apercebi que esta era uma história de aparências. No início da trama, que chega a ser um pouco chata, vemos personagens descontraídos, sorridentes, mas algo não está certo. Esta espécie de sombra que paira sobre a cabeça deles é representada por Bishop (Reg E. Cathey), o louco agressivo que funciona como estímulo para o desastre que se anuncia desde a primeira cena.

O final foi de tal modo polémico que o filme do director/actor Sebástian Silva foi rejeitado pela selecção do Festival de Toronto, por se recusar a modificar a última cena. Felizmente Silva manteve-se fiel ao conceito original, não fosse esse um dos pontos altos da produção que aliado ao guião  revelado por Wiig numa entrevista como de improviso  leva o espectador a crer que se trata de uma dramedy cliché e que se transforma em algo completamente diferente.


Classificação IMDb: 7.9/10
Classificação Ghostly Walker: 8/10
Aos 15 anos, a vida de Adèle (Adèle Exarchopoulos) altera-se para sempre quando o seu olhar se cruza com o de Emma (Léa Seydoux), uma rapariga de cabelo azul, cuja visão do mundo é bem diferente da sua. Entre as duas nasce um amor e desejo intensos que, apesar das dificuldades, as fará crescer e afirmarem-se enquanto mulheres.

Tomei coragem e assisti à LONGA-metragem de 3h sobre o despertar de uma adolescente e o seu épico primeiro amor. As cenas de sexo são intensas e explícitas, mas servem como pano de fundo para a complexa construção emocional da protagonista. 

A Seydoux é fantástica, mas a Exarchopoulos é uma revelação. Aos 18 anos, foi capaz de uma performance absolutamente genial. Transmitiu a inocência, desejo e maturidade de uma forma subtil e natural. Curiosamente nenhuma das duas usou maquilhagem (praticamente) durante o filme.

A comunhão entre as duas actrizes é de tal forma impressionante que quando o filme venceu a Palma de Ouro na 66ª Edição do Festival de Cannes, o júri fez questão que as duas o fossem receber juntamente com o director Abdellatif Kechiche.


Classificação IMDb: 6.1/10
Classificação Ghostly Walker: 4/10


Murphy (Karl Glusman) é um jovem americano, estudante de cinema, que vive em Paris. Frustrado com o casamento com Omi (Klara Kristen), recebe um telefonema a avisar que a ex, Electra (Aomi Muyock) está desaparecida há dois meses. A partir daí, passamos o resto do tempo em flashbacks de como a relação entre Murphy e Electra começou e terminou.

Precisando de um filme dentro da mesma temática dos anteriores para completar o quarteto, deparei-me com a capa de um beijo a três e pensei "deve servir". Com direito a cenas de sexo explícito, nudez frontal, masturbação e até ejaculação, este drama erótico, foi apelidado por muitos como pornografia 3D. Em termos de história, está ao mesmo nível que esse tipo de produções, vazia e forçada

Se não for sobre mim, não costumo ser pudico. Compreendo que o sexo é uma acção natural, especialmente quando se está numa relação amorosa. Sei dar valor ao facto do director Gaspar Noé querer incorporá-lo no cinema, mas há maneiras diferentes de o fazer. Aquilo que poderia ser um acto orgânico, acabou por ser quase ridículo. O que salva esta produção é o jogo de luzes e cores com as músicas de fundo a fazerem lembrar o Nymphomaniac do Lars Von Trier. O trio de actores teve momentos sólidos mas de uma forma geral, não convenceram.


Já viram algum dos quatro filmes? Qual é o vosso favorito e o que gostaram menos?

13 comentários:

  1. O "Adele" é dos meus filmes preferidos. Tenho o dvd e já o vi 3x. Adoro o filme, acho-o perfeito.
    O "Love" foi uma desilusão. Detestei e nem o acabei.

    ResponderEliminar
  2. Dos filmes listados só assisti ao filme Shelter.

    www.princedreamer.com

    ResponderEliminar
  3. Ainda não vi nenhum desses filmes, mas fiquei bastante curiosa para assistir ao "Blue is the warmest color"... Talvez pela maioria dos filmes e séries retratarem a união entre homossexuais masculinos e não tanto entre as mulheres. E pelo que dizes, o filme foi muito bem consigo, e nada melhor do que assitir a algo que não venha a desiludir.

    avidadelyne.blogspot.com

    ResponderEliminar
  4. Sei que é uma opinião impopular, mas NÃO SUPORTO La Vie d'Adele. Em parte porque para gostar de um filme preciso ou de me identificar em algum nível (seja com um personagem ou com alguma dimensão da história) ou então achar que o filme é mesmo bonito -por exemplo, visualmente- e que me prende. Este não preencheu nenhum dos dois requisitos, e para rematar achei a Adèle Exarchopoulos a miúda mais irritante de todo o sempre, sempre com aquela expressão idiota e a boca aberta (muito à Kristen Stewart, mas por ela tenho um soft spot). Bom, deu para ver que detestei, não foi? =P

    Perdida em Combate

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também reparei na "cara de parva", mas pensei que fosse suposto haha. Para mim nada consegue ser pior que a maneira da personagem comer - mastigar de boca aberta, falar com a boca cheia de comida e limpar a boca com os dedos. Contudo não considero que isso invalide a boa prestação dela.

      Eliminar
    2. Não, ela tem a mesma expressão sempre, basta passares pela sua página de FB para confirmares! E concordo que não invalida a boa prestação, fui eu que embirrei mesmo.

      Eliminar
  5. Shelter e Azul é a cor mais quente são filmes que já estão na minha lista e sempre vejo eles destacados tanto em sites de filmes online ou em plataformas. Já estou pensando em assistir um deles hoje hahaha. Obrigado pelas dicas!

    ANDYZANDO

    ResponderEliminar
  6. Finais Felizes precisam-se nos filmes de temática gay.
    Lilting, recomendo!

    ResponderEliminar
  7. Amei o "Blue is the warmest color" e concordo contigo, intimo, intenso e elas foram maravilhosas nos seus papeis :)) Francamente nem me apercebi que o filme era tão longo, mas está tão bem feito que nem me apercebi do tempo a passar!!
    Os outros não vi mas fiquei intrigada com o primeiro.

    ResponderEliminar
  8. Adoro Shelter!!!! Os outros ainda não vi....

    Beijos,
    www.notavelleitura.blogspot.com

    ResponderEliminar
  9. Adorei o The Blue is the warmest color está muito forte com excelentes papéis.
    Gostei muito do teu blog, especialmente deste separador uma vez que sou uma apaixonada por cinema :)

    http://gestoolharesorriso.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar

Obrigado pela leitura e comentário!
Eventuais questões serão respondidas aqui, na respectiva publicação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...