Pages

domingo, 27 de dezembro de 2015

CINEMA | O que tenho andado a ver #10


Nos últimos dois meses assisti a tantos filmes que podia fazer uma publicação destas por dia. Para não vos saturar e ao blogue, optei por reservar os Domingos para a rubrica "O que tenho andado a ver" por enquanto mantém-se, mas ando há algum tempo para alterar o título. Se estiverem a visitar o Ghostly pela primeira vez, é o espaço onde avalio e escrevo mini-reviews de quatro longas metragens. Embora este vá ser o último quarteto do ano, já os vi no mês passado, o que significa que no próximo, ainda vou andar a falar de obras visualizadas em 2015. Esclarecimentos de lado, passemos às críticas (positivas).

Classificação IMDb: 7.7/10
Classificação Ghostly Walker: 8/10


Em 1963, enquanto estudante de Física na Universidade de Oxford, no Reino Unido, Stephen está decidido a encontrar uma "simples, eloquente explicação" para o Universo. Nesta época, após conhecer Jane Wilde, uma jovem estudante de Artes por quem se apaixona, é-lhe diagnosticada esclerose lateral amiotrófica, uma doença incurável e degenerativa que leva à perda permanente de movimento muscular. Apesar dos médicos lhe darem dois anos de vida e das capacidades físicas cada vez mais limitadas, casa-se com Jane, com quem tem três filhos. Com a sua ajuda, supera os maiores obstáculos, sem nunca perder a vontade de viver.

Confesso que desconhecia o trabalho e vida daquele que é considerado um dos mais importantes astrofísicos de todos os tempos, mas fiquei fascinado. O Eddie Redmayne representou-o de uma forma sublime, valendo-lhe o Óscar de Melhor Actor. A maneira com que se entregou à personagem é arrepiante. Apoiado da igualmente talentosa Felicity Jones, conseguiram estabelecer uma ligação complementar intensa e rica em conteúdo.

The Theory of Everything adapta a obra biográfica "Trvelling to Infinity: My Life With Stephen", onde Jane Wilde descreve os seus anos ao lado de Hawking, é uma celebração da vida em vez de um drama pesado  embora eu tenha acabado lavado em lágrimas.


Classificação IMDb: 7.2/10
Classificação Ghostly Walker: 7/10



Nascida a 1 de Janeiro de 1908, Adaline Bowman (Blake Lively), cresceu, constituiu família e levou uma vida igual à de tantas outras mulheres do seu tempo. Aos 27 anos, sofre um acidente grave que provoca que deixe de envelhecer. O que para muitos seria uma bênção, tornou-se numa maldição, ao atravessar décadas e viver com a consciência de que todos que ama envelhecem e, eventualmente, morrem. Após anos a fugir, conhece alguém cujo amor pode valer mais do que a imortalidade.

Quando o trailer saiu há uns meses atrás e a blogosfera enloqueceu, fiquei bastante reticente por contar com a ex-gossip girl como protagonista. Engulo todas as minhas dúvidas. ADOREI o filme! Já não ficava tão entusiasmado há muito, muito tempo. Com uma duração de quase 2h, passou a correr, ficando com a vontade de um replay instantâneo.

A história é o maior cliché romântico de sempre e o final é previsível e rebuscado, mas por alguma razão... mexeu comigo. A temática remete-nos para o Curious Case of Benjamin Button, mas invertido. Um pormenor que apreciei bastante é o facto de mesmo na actualidade, a protagonista manter a sua elegância e estilo vintage, tanto na roupa como cabelo e maneira de falar. A química com Michiel Huisman saltava do ecrã e só lamento o Harrison Ford, com um curriculum exemplar, parecer o mais inexperiente do elenco.


Classificação IMDb: 7/10
Classificação Ghostly Walker: 7/10
Em 1971, 24 estudantes do sexo masculino são seleccionados pelo professor e psicólogo, Philip Zimbardo, para uma experiência na Universidade de Stanford, na Califórnia. Na cave do edifício de Psicologia, é construída uma prisão fictícia e o grupo de jovens será separado entre guardas e prisioneiros. É a partir dessa divisão social que a experiência visa explicar os efeitos da prisão no comportamento do ser humano. Os resultados são devastadores.

Baseado em factos reais, The Stanford Prison Experiment, não é a primeira adaptação cinematográfica sobre este caso. Após a alemã "Das Experiment" (2001) e a versão americana "The Experiment" (2010), é caso para dizer, à terceira é de vez.

Vencedor do Prémio de Melhor Argumento no Festival Sundance 2015, trata-se de uma viagem claustrofóbica com cenas de bullying que nos deixam com um sentimento de impotência enorme.

Além do trabalho do excelente trabalho de câmara, o elenco é o ponto forte desta produção. O núcleo de jovens actores, entre eles Ezra Miller, Michael Angarano, Tye Sheridan e Johnny Simmons, conseguiu transmitir na perfeição a dor, angústia e desconforto necessários.



Classificação IMDb: 7.2/10
Classificação Ghostly Walker: 8/10




Após a repentina morte da mãe, Cheryl Strayed distanciou-se da família, começou a consumir heroína e destruiu o seu casamento. Quatro anos depois, aos 26, sem nada a perder, decidiu por impulso embarcar numa caminhada de mais de 1000 km, numa autêntica busca interior. Sem experiência e guiada pela sua determinação, inicia uma jornada repleta de desafios físicos e mentais, até ao renascimento de uma Cheryl fortalecida e segura de si.

Começo a ver um padrão no curriculum da Reese Witherspoon. Sempre que participa numa obra premiada, seguem-se anos de filmes medíocres. Vencedora do Óscar de Melhor Actriz, em 2006, com Walk The Line, passaram-se oito até ser nomeada na mesma categoria.

O meu medo de tédio foi rapidamente esclarecido na viagem física e psicológica de uma mulher com defeitos, mas bastante humana. Com paisagens de tirar a respiração como fundo da acção, a Resse brilha ao transmitir a sensibilidade e força interior necessárias à personagem. À primeira vista não temos a melhor das impressões de Cheryl, mas pelo fim do filme, sentimo-nos revitalizados com as suas conquistas. Afinal quem é que não tem sonhos e objectivos de vida para alcançar?

A longa-metragem conta ainda com Laura Dern, indicada ao Óscar de Melhor Actriz Secundária pelo papel de mãe.


Já viram algum dos quatro filmes? Qual é o vosso favorito e o que gostaram menos?

21 comentários:

  1. Dessa lista eu vi The Age of Adaline assisti duas vezes esse ano de tão bom e Wild que é muito bom, imagina você pegar em um dia e resolver do nada sair mochilando e nossa Reese ficou demais nesse filme.

    Caah Ribs

    ResponderEliminar
  2. Ando à séculos para ver "The Theory of Everything" e depois de ver a pequena review fiquei com ainda mais vontade!
    Grande beijinho,
    Madalena

    www.maadalenaaa.blogspot.com

    ResponderEliminar
  3. Ja ouvi falar de alguns mas não vi nenhum desses:)

    ResponderEliminar
  4. só o vi o 1º e quero muito ver o 2º e o 4º! :)

    ResponderEliminar
  5. Adorava ver The Theory of Everything mas ainda não tive oportunidade!
    Os outros filmes não conhecia mas em breve espero ver!
    Blog / Facebook / Instagram

    ResponderEliminar
  6. Excelentes filmes sem dúvida.

    Beijinhos,
    www.wordsofsophie.com

    ResponderEliminar
  7. Estou tremendo aqui, com o jeito que você escreve.
    Sem dúvidas deve ser inteligentíssimo.
    Bom, desses, eu assisti A teoria de tudo, e é espetacular.
    A atuação do Eddie Redmayne é simplesmente fantástica.
    Eu até ia ver A Incrível História de Adaline, mas deixei de lado.
    E os outros da lista, o que mais de deixou curioso foi esse: The Stanford Prison Experiment.
    Já gostei da sinopse e que ver ao filme.
    http://letrasfloresecores.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh obrigado! O filme pode ser pesado para algumas pessoas, mas espero que gostes do "Stanford Prison Experiment" :)

      Eliminar
  8. The Age of Adaline é tão cute. Adorei o filme!

    ResponderEliminar
  9. Vi todos menos o The Stanford Prison Experiment que irei ver num futuro bastante próximo. De todos os meu preferido foi o primeiro e o Wild. Ambos me levaram às lágrimas e tocaram-me de uma forma bastante especial.

    ResponderEliminar
  10. Já tentei ver a Teoria de Tudo mas o início não me cativou e bem, acabei por não acabar. Quanto a The Age of Adaline, adorei do início ao fim!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O início até pode ser um pouco lento mas tens que o terminar, vale mesmo a pena!

      Eliminar
  11. Desses só vi o Wild, também recentemente. Não me marcou imenso, mas cheguei ao final do filme com uma sensação de satisfação. Estava com expectativas baixas, mas surpreendeu-me (pela positiva). Quanto ao The Stanford Prison Experiment, nunca tinha ouvido falar, mas tenho a certeza que o vou ver rapidamente pois adorei o Das Experiment e o Die Welle, também dentro do mesmo género (ainda que o cenário seja completamente diferente). :)

    http://aondenaoestou.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  12. Não vi nenhum desses, mas quero muito ver os dois primeiros!

    r: As edições normais são um pouco caras. A mim ofereceram-me o primeiro em edição de bolso, por isso comprei os restantes nesse formato, o que acaba por ficar mais em conta.
    Claro que não será o mesmo, até porque a forma de escrever é sempre distinta, mas estou curiosa também por isso :)

    ResponderEliminar
  13. The Age of Adeline sem dúvida um dos meus preferidos deste ano

    R: Obrigada pelo conselho :)

    ResponderEliminar
  14. The Theory of Everything ficou na lista dos meus filmes preferidos - e é como dizes, o Eddie é sublime mesmo! E ando há imenso tempo para ver o The Age of Adaline!

    Jiji

    ResponderEliminar
  15. Oi! Já assisti The Age of Adaline (3 estrelas, para mim) e tentei ver Wild, mas dormi :(. Fiquei bem curioso para assistir o The Teory of Everything que, por algum motivo bizarro, ainda não vi. Conheci seu blog agora e adorei tudo, hahaha.

    Abraços!
    www.paginou.com.br

    ResponderEliminar
  16. Destes quatro filmes só conheço mesmo os dois primeiros. Quer dizer, também conheço o "Wild" mas nunca o vi. Eu já tinha vistos outros trabalhos dos Eddie Redmayne antes de ver "The Theory of Everything" e fiquei completamente fascinada pelo seu talento. O seu óscar foi sem dúvida muito bem merecido. Eu também tive uma semi-reacção assim quando soube que a Blake seria a protagonista. Não é que seja má actriz e que a série "Gossip Girl" não fosse "appealing", mas a passagem de uma coisa para a outra nem sempre tem sido bem feita. O certo é que apesar de ser cliché, com disseste, o filme até que acabou por me surpreender pela positiva. Eu gosto bastante destes dois filmes.

    R.: embora eu ainda não tenha visto nenhum daqueles filmes, também estou com uma esperança que esta seja a vez de o DiCaprio ganhar o seu tão merecido óscar. E concordo. Se for para perder, que seja para o Eddie, pois ele é sem dúvida uma das melhores revelações dos últimos anos.

    P.S. espero que tenhas uma boa entrada em 2016 e que este seja um óptimo ano.

    ResponderEliminar
  17. Só não vi o da prisão mas vou tratar disso.
    Dos outros gostei bastante.

    ResponderEliminar
  18. Só ainda não vi o 3º.
    Adorei o 1º e o último (que comparam muitas vezes ao Into the wild, apesar de achar que muito pouco têm a ver).
    Apesar de ter visto até ao fim, não gostei muito do The Age Of Adaline (talvez por ter esperado imenso tempo que o filme saísse, havendo assim tempo para elevar as expectativas, e ter gostado imenso do trailer). Quem sabe se é estas férias de verão que lhe dou uma segunda oportunidade..

    ResponderEliminar

Obrigado pela leitura e comentário!
Eventuais questões serão respondidas aqui, na respectiva publicação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...