Pages

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

CINEMA | O que tenho andado a ver #6







Classificação IMDb: 5.6/10
Classificação Ghostly Walker: 4/10
The Green Inferno conta a história de um grupo de jovens activistas ambientais que embarca numa missão para salvar a Amazónia. Apesar das (aparentes) boas intenções, não têm sorte: o avião despenha-se e o grupo é capturado por uma tribo canibal. 

Aquele que seria o aguardado retorno de Eli Roth ao grande ecrã, pretendia, na teoria, homenagear o ciclo de filmes canibais italianos, em especial o mais respeitado do subgénero, Canibal Holocausto (1980), de Ruggero Deodato. O problema é que a abordagem do cineasta norte-americano foi tudo menos séria. Já para não falar do facto de parecer ter um orçamento de €5.

Com personagens estereotipadas  o gordo engraçado, a loira ciumenta, o líder arrogante, o casal de lésbicas, e claro, a doce e inocente protagonista que fará com que o espectador simpatize e torça pela sua sobrevivência até ao fim  diálogos absurdos e situações absolutamente ridículas, nem com a quantidade de sangue, desmembramentos, tripas soltas e olhos arrancados, o espectador é capaz de não soltar uma gargalhada. Eli Roth é um cínico que adora o humor negro aliado ao gore (Hostel 2007), mas este Inferno Verde é tão mau que chega a ser interessante.

Classificação IMDb: 5/10
Classificação Ghostly Walker: 2/10
A vida de Evan Webber é perfeita: tem uma mulher que ama, dois filhos adoráveis e uma casa de sonho. Quando a família vai passar um fim-de-semana fora, ele aproveita o sossego para terminar um trabalho de arquitectura. Tudo muda quando duas jovens lhe batem à porta à noite, no meio de uma tempestade, e lhe pedem para usar o telefone. Ao aceitar ajudá-las, Evan não fazia ideia que estaria a entrar num jogo sádico.

Porque um filme do Eli Roth não é suficiente, vamos lá ao segundo. Escusado será dizer que este thriller erótico  remake de Death Game (1977), de Peter S. Traynor  também foi arrasado pelas críticas, mas o Ricardo gosta de ver para crer. Idiota. 

Com um argumento preguiçoso e nada criativoo pior desta produção é o desempenho do trio de protagonistas. Com tantos anos de experiência, o Keanu Reeves foi desastroso, terrível mesmo. A sua cara de alegria e desespero era igual  vê-lo chorar fazia-me rir. O Eli voltou a colocar a Lorenza Izzo num dos papéis principais (a rapariga doce e inocente do Green Inferno), e no meio de tanta porcaria, a performance dela consegui ser a mais realista.


Classificação IMDb: 6.3/10
Classificação Ghostly Walker: 5/10
Aos 8 anos, Libby Day (Charlize Theron) presenciou o assassinato da sua mãe e duas irmãs mais novas, e declara Joe, o irmão adolescente, o autor do crime. Passados 25 anos, ela é abordada por um grupo de investigadores amadores que se dedicam a reavaliar casos de homicídio mal resolvidos. Com eles, Libby vai fazer uma difícil viagem à infância, descobrindo novos factos que poderão colocar em causa o seu testemunho e, consequentemente, a culpa do irmão em prisão perpétua.

Há uns meses atrás fartei-me de ler críticas positivas a este filme aqui na blogosfera, sinto-me enganado. Assim que soube que o thriller psicológico se baseava no best-seller homónimo da norte-americana Gillian Flynn (autora do brilhante Gone Girl), fiquei em pulgas. Infelizmente não chega sequer aos calcanhares da adaptação anterior. Nem a boa interpretação da Charlize foi o suficiente para recuperar o desperdício de material promissor que o Director Gilles Paquet-Brenner tinha em mãos. A história é interessante, mas a quantidade de saltos entre o passado e o presente tornam-se cansativos, o que numa acção só por si lenta, é receita para o desastre.

Dark Places conta ainda com Nicholas Hoult, Chloë Grace Moretz e Christina Hendricks no elenco.


Classificação IMDb: 5.3/10
Classificação Ghostly Walker: 5/10
Um casal vive numa pequena cidade do deserto australiano com Lilly e Tommy, os filhos adolescentes. Certo dia, uma tempestade de areia abate-se sobre a zona e as crianças acabam por se perder. Desesperados, os pais pedem ajuda aos vizinhos e são iniciadas buscas. Com o passar das horas e as temperaturas a aumentar, a esperança começa a dar lugar a uma inevitável tragédia. Simultaneamente, começam a espalhar-se rumores sobre o passado da família e o suposto envolvimento dos pais no desaparecimento dos filhos. 

Considero a Nicole Kidman uma excelente actriz e após umas quantas escolhas cinematográficas duvidosas, tenho torcido por um papel digno das suas capacidades. Ainda não foi desta. Não há dúvidas que está no seu melhor quando desempenha uma mãe angustiada (The Others, Rabbit Hole), enredo e acção de Strangerland prejudicou imenso aquela que poderia ter sido outra interpretação brilhante. Joseph Fiennes e Hugo Weaving também tiveram performances sólidas enquanto pai e polícia, respectivamente, portanto os ingredientes certos estava lá, apenas ficou demasiado tempo ao lume.

Este filme dramático de Kim Farrant, rapidamente se torna cansativo. O final então, deixa o espectador tão perdido como as crianças.


Já viram algum dos quatro filmes? Qual é o vosso favorito e o que gostaram menos?

12 comentários:

  1. O "Knock Knock" está na prateleira para ser visto mas como quase a maioria dos filmes do Keanu, não me puxa.

    O "Dark Places" foi uma desilusão, tal como foi o livro. Eu vinha embuída pelo espiito da Gillian Flyn ("Gone Girl") e levei um balde de água fria. É aborrecido e embora as personagens sejam muito dark, achem aquilo muito "white trash" mas com pouco sumo...

    ResponderEliminar
  2. Não vi nenhum, mas depois da tua crítica também não fiquei com vontade de ver =P

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. Temo que fiques "mortinha" depois de o ver, é demasiado mau haha.

      Eliminar
  4. Esse "Knock Knock" pareceu-me mesmo terrível, e fiquei-me pelo trailer.xD

    ResponderEliminar
  5. Fiquei muito interessada em ver Knock Knock e Dark Places :) sempre com excelentes sugestões Ricardo :D

    ResponderEliminar
  6. 2 de 10 para o Knock Knock? Agora fiquei mesmo na dúvida se o vejo ou não.

    ResponderEliminar
  7. Só vi o primeiro da tua lista e concordo com a tua crítica. Os outros, queria ver, mas tal como a Sofia, perdi a vontade :P

    Beijinho e obrigada pela visita ao meu cantinho, gostei também, deste teu canto :)

    ResponderEliminar
  8. PRE-CI-SO assistir esse Green inferno :O
    É tão bom assim?! Por que fiquei intrigada!
    | A Bela, não a Fera |
    | FB Page A Bela, não a Fera|

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, não é. Tal como escrevi na review, o filme é mau, daí a minha classificação de 4/10.

      Eliminar

Obrigado pela leitura e comentário!
Eventuais questões serão respondidas aqui, na respectiva publicação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...