Pages

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

TGW RECOMENDA | Álbuns a ouvir #6


O quarteto de hoje era perfeito para uma edição musical dos "Hunger Games". Duas estrelas da Disney e dois grupos de música electrónica. A passo do que acontece em qualquer projecção cinematográfica, os underdogs, ou seja, aqueles que à partida seriam os mais fracos, são os claros vencedores deste duelo sinfónico. Ponto para a Selena e Chvrches. Chocante.

A Demi e a Selena completam-se: uma tem a voz e a outra as melodias; entre os Disclosure e os Chvrches, uns sucumbiram à fama e os outros mantiveram-se fieis às suas raízes. 

Para ouvirem as minhas faixas favoritas dos álbuns basta clicarem nos títulos em "MUST LISTEN".


1. Selena Gomez | Revival

Quando soube que a ex-feiticeira de Waverly Place iria entrar num território mais R&B/urban no novo álbum, fiquei de pé a trás. Logo chegou "Good For You" e quaisquer dúvidas existentes foram automaticamente caladas. Se terminar a relação com o Justin Bieber foi o impulso necessário para este crescimento musical, que venham mais. Em Revival a cantora norte-americana aperfeiçoa as batidas infecciosas do anterior Stars Dance (2013) resultando no seu melhor trabalho até à data. Não é segredo nenhum que as habilidades vocais da Selena são provavelmente inferiores às de alguns de nós mas, também aí, a jovem de 23 anos aprendeu com os erros do passado e adaptou as canções ao seu tom natural. Perdi a conta da quantidade de vezes que ouvi a "Survivors" e "Me & My Girls" nos últimos dias. Estão aqui dois hits à espera de acontecer.

MUST LISTEN: SURVIVORS | ME & MY GIRLS | CAMOUFLAGE | GOOD FOR YOU (ft. A$AP Rocky) | BODY HEAT

2. CHVRCHES | Every Open Eye

Com praticamente todos os artistas POP a voltarem-se para os anos 80 em busca de inspiração, "Every Open Eye" pode até aproximar-se mais desse período que o seu antecessor.  As faixas "Clearest Blue" e "Leave a race", demonstravam uma Lauren Mayberry mais furiosa  letras feministas à la Cindy Lauper e Madonna  dadas as declarações da vocalista sobre a misoginia na indústria musical. 
Após o brilhante "The Bones of What You Believe" de 2013, o grupo escocês repete a fórmula do álbum de estreia mas sem cair na monotonia. Os sintetizadores voltam a marcar presença, persistindo num synth pop divertido e inovador ao abandonar os tradicionais instrumentos de cordas. 


3. Disclosure | Caracal

Depois do sucesso do magnífico álbum de estreia, Settle (2013), as expectativas para o novo álbum dos irmãos britânicos eram estratosféricas. Estou decepcionado. Um dos problemas do álbum é a procura de sangue novo para incluir nas músicas. Ao contrário do que antes aconteceu com as participações de Sam Smith ou Jessie Ware, em Caracal há uma cedência óbvia do ADN musical do duo às necessidades do estrelato. Weeknd, Lorde, Miguel. Tudo aquilo que resultou no disco anterior, aqui quase parece uma necessidade. "Nocturnal", "Magnets" ou "Good Intentions" até podem convencer o grande público, mas não há química nenhuma. Limitaram-se a adaptar o som para encaixar melhor nas vozes e ouvidos dos convidados. Os Lawrence deixaram-se ofuscar pelas participações.
Recuando no tempo até faixas como "When a Fire Starts To Burn" ou "January", é impossível não sentir uma imensa nostalgia da época em que nos lembraram que a música electrónica não se restringia apenas a som em bruto. Caracal será sempre a ovelha negra. Não é que seja mau, mas está longe de ser bom.

4. Demi Lovato | Confident

Não é segredo nenhum que sofri uma ligeira obsessão com a "Cool For the Summer". Ultrajante pensar que não conseguiu sequer alcançar uma posição no top 10 da Billboard Hot 100. Com um estrondo de primeiro single, fiquei bastante curioso com o quinto álbum de estúdio. Confident é a promessa de uma sonoridade mais madura e sensual que não foi inteiramente cumprida. É inegável a potencial vocal da jovem de 23 anos, mas sem melodias eficazes, nada feito. A parceria com a Iggy Azalea é uma espécie de versão soft da "Dark Horse" da Katy Perry, enquanto que a faixa "Stars" tem tudo para ter sucesso. O grande destaque deste trabalho é a canção "Father", uma carta aberta escrita pela Lovato para o pai distante que perdeu a batalha contra o cancro em 2013.

MUST LISTEN: COOL FOR THE SUMMER | FATHER | STARS | LIONHEART | CONFIDENT | KINGDOM COME (ft. Iggy Azalea)

ÁLBUNS A OUVIR #1 | #2 #3 | #4 | #5

Já ouviram algum dos quatro álbuns? Qual é o vosso favorito?

9 comentários:

  1. O "Revival" é, muito provavelmente, a surpresa do ano no meu caso. Eu adorei "Good For You" e "Same Old Love", mas jamais esperei um álbum tão bom. A Selena conseguiu trazer uma frescura ao POP. Principalmente num ano tão fraco nesse campo como tem sido 2015. É impossível escolher uma favorita, mas as que citaste fazem parte das que mais gosto também! Ah, e claro, "Perfect". Para mim está perfeita. Adoro a sonoridade, a voz da Sel, a letra. Mesmo excelente!

    Quanto ao "Confident", bem, outra surpresa. Eu sou fã assumido da Demi, mas estava com muito receio quanto a este quinto álbum. Fui surpreendido. É um marco na sua carreira, o melhor álbum dela. Tem uma ou outra música mais fraquita, mas no geral cumpre muito bem. Para já, destaco "Kingdom Come", "Wildfire" e "Old Ways"! Muito, muito boas!

    ResponderEliminar
  2. O Revival da Selena Gomez: muito sim. Sempre a adorei, desde o tempo dos Feiticeiros de WP :) já ouvi algumas das músicas do álbum e adorei. Também adoro a Demi, mas sinceramente o estilo que ela adoptou para este CD não faz muito o meu género.

    The eyes of a Mermaid

    ResponderEliminar
  3. Para mim, tanto o álbum da Selena como o da Demi definem: maturidade! Vieram como uma lufada de ar fresco. Penso que precisavam mesmo disso e, apesar de não ser fã de carteirinha, fiquei bem impressionado.

    Disclosure...aah Disclosure! Sempre fui fã. Sempre fez parte dos meus dias. Mas este novo álbum veio com um gostinho de decepção sim. Infelizmente!

    Já CHVRCHES, nunca esteve muito presente. Mas admito que preciso de um pouco dessa "cultura". E a tua "must listem" convenceu-me. Obrigado! (risos).

    Abraços e até breve,
    Salada de Fruta

    ResponderEliminar
  4. Fiquei muito feliz pelo novo trabalho de Selena Gomez e Demi Lovato. Elas estão mais talentosas, amadureceram e as músicas estão muito boas. Poxa, é uma pena você ter se decepcionado com Disclosure, não sou muito fã mas gostei muito do feat com a Lorde, abraços.

    ANDYZANDO

    ResponderEliminar
  5. Para mim o álbum da Selena Gomez | Revival é o álbum do ano. Sem dúvida, conquistou-me do início ao fim. Já ouvi tantas vezes que nem tenho palavras. E logo eu que não gosto muito do Pop ou R&B.

    ResponderEliminar
  6. O albúm da Demi está muito bom. Houve um tempito em que o "Cool for the summer" não saia da cabeça. E o dos Disclosure também :)

    http://theback-ground.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  7. Hummmm, pelo que leio sobre a Selena e a Demi (bom trabalho) mas não é o meu género de música.
    Adoro esta tua rubrica Ricardo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nos comentários a Demi parece estar em grande, no meu texto é que não. Obrigado pelo elogio!

      Eliminar
  8. Acompanho a Selena desde o inicio e gosto do trabalho dela, quem diria que a feiticeira se iria tornar no que é hoje. Relativamente à Demi, confesso que só a descobri há um ano e pouco e fiquei logo apaixonado pelas músicas dela.
    Sobre os grupos não conheço nenhum.

    ResponderEliminar

Obrigado pela leitura e comentário!
Eventuais questões serão respondidas aqui, na respectiva publicação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...